Camara

Corregedor eleitoral rejeita duas ações contra Bolsonaro e Braga Netto

Por RJNEWS em 09/11/2023 às 15:49:16
Ações foram abertas pelo PDT e a campanha do presidente Lula

Ações foram abertas pelo PDT e a campanha do presidente Lula

O ministro Benedito Gonçalves, corregedor Eleitoral do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), rejeitou nesta quinta-feira (9) duas ações de investigação judicial eleitoral (Aije) que tinham o ex-presidente Jair Bolsonaro como alvo. Em ambos os casos, o magistrado entendeu não haver argumentos suficientes para prosseguir com os processos.

O candidato a vice na chapa de Bolsonaro nas eleições do ano passado, Braga Netto, também foi livrado das acusações.

Uma das ações havia sido aberta pelo PDT, partido do ex-candidato à Presid√™ncia Ciro Gomes. A legenda apontava o suposto abuso de poder econômico por Bolsonaro, que teria camuflado gastos de campanha por meio de materiais gr√°ficos distribuídos por um grupo chamado Casa da P√°tria, no Paran√°.

Gonçalves entendeu não ter sido apresentado nenhum elemento capaz de demonstrar a ligação entre o grupo e a campanha de Bolsonaro. "De se notar que os candidatos investigados, no caso em tela, foram apontados como benefici√°rios, sem que se descrevesse de que forma teriam atuado para coordenar, direta ou indiretamente, o suposto esquema de financiamento ilícito de campanha", argumentou.

A outra ação havia sido aberta pela campanha do presidente Luiz In√°cio Lula da Silva, que acusou Bolsonaro de envolvimento com disparos de mensagens em massa dias antes do primeiro turno das eleições do ano passado, provenientes de um número da Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paran√° (Celepar).

Nesse caso, Gonçalves frisou que o envio das mensagens foi feito por meio de acessos externos à plataforma de SMS da empresa pública paranaense, "sem participação do Governo do Paran√° ou da Celepar, o que aponta no sentido de que os investigados não tiveram nenhuma participação nos fatos".

Bolsonaro e Braga Netto j√° foram condenados à inelegibilidade por 8 anos em outros processos julgados pelo TSE. Eles se encontram impedidos de disputar cargos até 2030. Contudo, ambos ainda respondem a outras ações que seguem em tramitação.

As decisões de Gonçalves foram os últimos atos do ministro como corregedor-geral Eleitoral. Ele encerra sua passagem de 2 anos pelo TSE nesta quinta-feira, sendo substituído na corregedoria pelo ministro Raul Araújo. Ambos t√™m origem no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Fonte: Agência Brasil

Comunicar erro
CONTEC

Coment√°rios

Zion