CONTEC

Governo do Estado pagará auxílio de até R$ 300 reais para guias de turismo

Sobreviver "em casa" continua sendo uma grande dificuldade para os trabalhadores turismo

Por RJNEWS em 22/05/2021 às 06:08:00
Informações sobre o auxílio foram definidas em reunião, nesta semana

Informações sobre o auxílio foram definidas em reunião, nesta semana

Thaiany Pieroni

Depois de mais de um ano tendo que aprender a sobreviver "em casa", os guias de turismo do Estado do Rio de Janeiro, receberão um auxílio estadual, no valor máximo de R$ 330. A notícia foi divulgada em uma reunião realizada, nesta semana, no Palácio Guanabara, e apesar de ajudar a classe, que precisou se reinventar, ainda não resolve o problema.

Vanderson Passos atua em Macaé como guia de turismo e conta, que desde o início da pandemia, o cenário é bem difícil. Ele tem feito o que pode e afirma que esse auxílio ajudará. "Os guias estão parados há mais de um ano, afinal o turismo foi o setor que mais sofreu e ainda sofre na pandemia. Estamos tentando voltar, mas está bem abaixo do esperado", relatou.

O profissional afirma ainda que precisou encontrar outras formas para conseguir sobreviver. "Durante esse período sobrevivi vendendo outras coisas, fazendo alguns "bicos", pedindo empréstimo, e até deixando de pagar alguns fornecedores. Conseguir esse auxílio seria importante e iria ajudar bastantes nas contas do mês", ponderou.

Marcio Cerqueira, que atua em Rio das Ostras, também comentou sobre o cenário delicado para a categoria. "Em Rio das Ostras, particularmente, a situação dos guias é bem delicada, pois a entrada de excursões está proibida, atrativos turísticos fechados, limitação do número de turistas em meios de hospedagem, restaurantes, atividades turísticas (passeios de barco etc). O maior problema é o grande risco de contagio, pois geralmente os guias trabalham com grupos de 45 pessoas e dentro de ônibus, além do fato da maioria dos guias atuantes serem do grupo de risco, por terem mais de 60 anos", ressaltou.

Para Cerqueira, o auxílio será bem vindo. "Acredito que todo auxílio é bem vindo, pois é uma das categorias mais afetadas pela covid", frisou.

Os guias estão parados há mais de um ano, além disso, aguardam desde junho do ano passado, quando ocorreu a sanção da Lei 8.858/20, para obter o auxílio. E agora, de acordo com o secretário de Turismo do Estado, Gustavo Tutuca, a categoria será incluída no Programa Supera Rio, pois essa foi a alternativa encontrada no momento para atender a essa reivindicação. Ou seja, os profissionais que fazem parte do Cadastur, receberam o benefício mínimo do programa de R$ 200, com um adicional de R$50 por filho menor de idade, limitado a duas crianças ou adolescentes.

Essa situação não foi vista com bons olhos pela Liga Independente dos Guias de Turismo do Rio de Janeiro, que emitiu uma nota lamentando a forma como os guias estão sendo tratados.

"O programa "Supera Rio", ao qual respeitamos, não deveria ser cogitado para uma categoria com a importância que tem os Guias de Turismo, até por ser uma lei recentemente aprovada, enquanto que a Lei 8858/20 foi sancionada em 3 de junho de 2020. Quando se aprovou o programa, há muito os guias já deveriam ter recebido seu benefício. É bom lembrar, que o ex-governador cassado, Wilson Witzel, sancionou sem vetos o PL que se transformou em lei. Que o PL indicava como fonte o Fundo Estadual de Combate à Pobreza que, segundo informações, fechou o ano com sobra de R$ 164 milhões. O governo estadual atual é uma continuação, mais afeita ao governo federal, do governo cassado, e não regulamenta a lei que temos aprovada e sancionada pelo mesmo motivo que o governo interrompido: total falta de vontade política. Isso se demonstra nas desculpas esfarrapadas do Secretário Estadual de Turismo para não receber a LIGUIA e discutir uma saída para o pagamento do benefício. Assim, o lema: "O TURISMO É O NOVO PETRÓLEO" nada significa para quem realmente vive dele e o promove. O Turismo serve apenas para acomodação de atores político-eleitorais. Por isso, o governo não devia dizer que os guias serão "incluídos" no "Supera Rio", quando na verdade, estamos sendo EXCLUÍDOS e privados do que é nosso por direito. Os guias seguem em luta por respeito e Renda Mínima!", informa a nota.

Representantes do legislativo, que participaram da reunião que definiu o auxílio, também se posicionaram a favor de melhorias para os guias. Presidente da Comissão de Turismo da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (ALERJ), a Deputada Alana Passos (PSL) cobrou resposta efetiva sobre a data de início do pagamento. Mas o governo ficou de enviar posicionamento posterior à comissão.

"Tem gente passando necessidade e vivendo de doação de cesta básica, os guias estão migrando para outros setores para buscar meios de levar comida para casa. Mas esses profissionais são fundamentais para a retomada do setor. É preciso que o pagamento do auxílio seja o mais rápido possível. Eles precisam desse benefício para ontem", ressaltou a deputada Alana Passos.

Integrante do grupo de parlamentares, a deputada Zeidan (PT) também pediu prioridade aos guias e que o auxílio fosse aumentado. "Turismo será a chave para a retomada econômica do Rio de Janeiro. Saímos daqui com o compromisso firmado e vamos garantir essa resposta rápida do auxílio a esses profissionais tão relevantes para o setor. Em seguida, como comissão, pensamos em um novo projeto", completou Adriana Balthaza (Novo).

Não são somente os guias de turismo afetados pela crise da Covid-19. Outros setores ligados ao turismo também estão sentindo, como é o caso do transporte.

Glaucineia de Araújo, que é cadastrada como guia de turismo, atualmente, não está atuando no ramo, justamente por conta do atual cenário. E o mais agravante é que seu esposo, trabalha com transporte de turismo e também vive uma situação complicada.

"Meu esposo trabalha prestando serviço de transporte para turismo. E ele está sentindo bastante, porque não tem serviço nenhum, durante todo esse tempo de pandemia. Mas mesmo assim, teve que regularizar a situação junto ao Departamento de Transportes Rodoviários (Detro), à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), e isso têm custos, mesmo sem renda alguma. A nossa sorte é que hoje, temos uma lojinha de manutenção de computador, que foi o que nos salvou", relatou.

Supera Rio já começa com atrasos

Após aprovado pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro, em março, o programa Supera Rio, estava previsto para começar a pagar as famílias beneficiadas no início do mês de abril. A previsão não foi concluída e agora a nova data é até o final de maio.

Segundo o secretário estadual de Desenvolvimento Social, Bruno Dauaire, já são mais de 200 mil famílias cadastradas para receber o benefício no estado. "Esse é um programa fundamental para o Rio e estamos trabalhando para que as pessoas comecem a receber o benefício", afirmou.

Bruno ainda destacou outras políticas da secretaria que auxiliam no combate à pobreza, entre elas, a reabertura de dez restaurantes populares ainda em 2021. "Hoje, inclusive, estamos reabrindo o restaurante de Campos dos Goytacazes, que estava fechado há 4 anos. Nele, a população consegue fazer uma refeição pelo custo de R$ 1. Precisamos voltar com esses espaços que salvam vidas", frisou Dauaire.

O Programa Supera Rio vai durar até o fim do ano. Terão prioridade ao benefício as pessoas que, comprovadamente, tenham renda mensal igual ou inferior a R$ 178 e, de preferência, estejam inscritas no Cadastro Único de Programas Sociais (CadÚnico). Trabalhadores sem vínculo formal de emprego, que ficaram desempregados durante a pandemia e que não tenham outra renda, também terão direito ao benefício. Além do auxílio emergencial, o programa também concederá uma linha de crédito de até R$ 50 mil para microempreendedores e autônomos.

Fonte: RJNEWSnoticias

Comunicar erro

Comentários

Casa e Roupa
Anuncie 3